PUB
© Augusta Conchiglia, La Guerre du peuple en Angola, 1969
© Augusta Conchiglia, La Guerre du peuple en Angola, 1969

A estética das lutas de Libertação em exposição

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

As Galerias Municipais de Lisboa, no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, acolhem a exposição Resistência Visual Generalizada, a partir do dia 28 de setembro. A mostra, que reúne um conjunto inédito de livros, fotografias e documentos produzidos entre as décadas de 1960 e 1980, desenha uma constelação espacial e temporal da estética de Libertação dos PALOP.

Além de um vasto conjunto de livros, revistas, cartazes e documentos, a mostra Resistência Visual Generalizada inclui obras fotográficas e cinematográficas das décadas de 60 e 70 de Augusta Conchiglia, Moira Forjaz, Silvestre Pestana e da cooperativa Grupo Zero. Integra também peças recentes de Daniel Barroca, Welket Bungué, Filipa César e Sónia Vaz Borges que interrogam a história e a memória, reelaboram as formas visuais da estética de Libertação e examinam a persistência de estruturas coloniais no presente.

Nesta conjuntura histórica, a descolonização política é considerada como indissociável da descolonização da cultura e das formas visuais. A cultura e a arte são entendidas como um campo produtor de efeitos de transformação na sociedade. As Revoluções africanas são um período de libertação da palavra, da imagem e das formas de representação. Para Amílcar Cabral, líder do PAIGC, a luta de libertação é, em si mesma, um “facto cultural” e um “factor de cultura”. A resistência política é uma forma de resistência cultural, do mesmo modo que a resistência cultural é uma forma de resistência política.

No contexto da cultura de libertação transnacional e de solidariedade internacionalista das décadas de sessenta e setenta, as lutas de libertação despertam o interesse de fotógrafos e cineastas. A revista, o livro, a fotografia e o cinema são percebidos como instrumentos fundamentais para mobilizar o apoio popular e difundir a luta pela descolonização a nível internacional. Fotógrafos como Augusta Conchiglia e Tadahiro Ogawa, entre outros, documentam a luta armada e a vida nas zonas libertadas, onde se experimentavam diferentes formas de organização social e se implementavam projectos de pedagogia radical. Entretanto, jovens portugueses desertores e refractários recusam-se a participar na guerra e exilam-se em França e noutros países.

Depois das independências, outros livros de fotografia documentam o processo de construção dos Estados-nação. Entre o militantismo e a experimentação formal, estes livros restituem a dimensão sensível dos primeiros anos de independência, período marcado pela adopção de modelos políticos marxistas-leninistas e pela busca de uma imagem descolonizada.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB