PUB
©Natasha Hall

Shapers Talks quer fomentar literacia financeira em Angola

É já nesta sexta-feira, 20, que realiza-se nova edição do evento Shapers Talk, em Luanda, e que pretende empurrar as instituições a aproximarem-se da população e a criarem um ambiente que proporcione o aumento dos indicadores sobre literacia financeira no país.

O objetivo é que estas empresas apresentem ao público o que fizeram, fazem e o que pretendem fazer para combater a problemática da iliteracia financeira entre a população angolana. “É um evento para debates e partilha de ideias de forma híbrida e nós achámos interessante trazer esse formato. Porque, muita das vezes, os especialistas estão um pouco distantes de quem quer ouvir falar sobre esses temas. É a partilha entre quem tem a solução e quem tem o problema. Nós [da Global Shapers] passámos a ser o intermediário”, afirmou Mário Fula, moderador e membro da comunidade Global Shapers Luanda.

O público alvo desta iniciativa são jovens e, sobretudo, as pessoas sem instrução académica, levando as instituições participantes a colocarem no centro dos seus projetos uma franja da sociedade que por norma está à margem. São estas as pessoas que podem confrontar as suas realidade com o que é e difundido e projetado nos escritórios dessas instituições.

“As instituições muitas das vezes não têm tido essa sensibilidade e na verdade é isso que trouxemos. Nós, que temos andado no campo, identificamos alguns dos problemas, ditos na primeira pessoa. Estas pessoas também podem ajudar a melhorar a visão dessas instituições, pois às vezes, essa visão de que só académicos conseguem solucionar problemas fica um muito bom projeto no papel e só no papel, pois quem realmente precisa não se safa”, declarou Mário Fula.

Importante salientar que Angola tem uma economia maioritariamente informal, responsável por 65% do PIB nacional, segundo um artigo do Jornal de Angola.

Na edição passada, uma zungueira (vendedora ambulante) foi convidada a contar a sua história e ficou assente que o acesso à informação e a literacia financeira são fundamentais para garantir a sustentabilidade. A participante fez parte do projeto Kuzunga, uma iniciativa da Global Shapers Community Luanda, um projeto que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e garantir melhores condições de venda, que acabam por refletir no acesso a mais oportunidades de inclusão social e económica. Com o apoio financeiro da União Europeia, até agora, este projeto já beneficiou mais de 100 zungueiras, comparcerias assinadas com instituições bancárias e de educação.

O Shapers Talks é uma iniciativa da Global Shapers Community Luanda e teve início em 2013, enquadrada no âmbito do projeto “O Futuro nas nossas Mãos – nós jovens protagonistas do desenvolvimento de Angola”.

O alvo principal da Global Shapers Community Luanda é formar líderes. As actividades são frequentadas por um público maioritariamente jovem, em termos de números, atinge os 90% . São jovens a discutirem ideias , a mostrarem soluções , e muitas vezes a questionar a idoneidade dos seus oradores “ a realidade não é essa que o senhor está a falar, essa é uma realidade de escritório”, disse entusiasmado Mário Fula.

Também com o propósito de formar líderes, o evento pode vir a acontecer noutras cidades além da capital. “Vemos Luanda como um ponto de partida não como um ponto de chegada. É tudo um processo e está em carteira levar para mais províncias, formar representações da Global Shapers em outras províncias, cumprindo aquele que é o objetivo de formar líderes, partilhar conhecimento  e fazer com que estes sejam líderes de projetos que criam algum impacto nas suas comunidades”, concluiu “Não podemos mudar as pessoas. Vamos dar educação e a educação vai fazer mudar as pessoas. Nem todo o mundo pode vir ao nosso evento, mas se dois ou três jovens absorverem conhecimento, quando forem para as suas comunidades vão espalhar aquilo que aprenderam”, acrescentou.

Cofinanciado pela União Europeia, a edição deste ano acontece a partir das 17 horas, no espaço Delícias de Paris, na Torre da Dipanda, no Largo Primeiro de Maio. O acesso é livre, mediante registo aqui.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB