PUB
Spotify
Direitos: NeONBRAND

Spotify processado em 1,6 mil milhões de euros por direitos de autor

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Quando o dinheiro começa a aumentar, começa os problemas a aparecer. O Spotify foi notícia, no últimos dias, por ter sido processado por direitos autor pela Wixen Music Publishing. Em causa, está a ausência do pagamento de licenças e valores apropriados.

Ler+ Carla Prata, sabe tudo o que quer falta apenas a afirmação

Os valores em falta são relativos ao uso indevido da música de álbuns como Light My Fire, dos The Doors, e Free Fallin, de Tom Getty. A informação foi publicada pelo The Hollywood Reporter. A Wixen detém no seu currículo os direitos legais do cantor Zack de la Rocha e do guitarrista Tom Morello, dos Page Against the Machine, de Dan Auerbach, dos Black Keys, de Rivers Cuomo, Neil Young, Steve Nicks, Kim Gordon, entre outros.
Em comunicado, a Wixen Music revelou que o Spotify não tem licença para mais de 20% das músicas que tem no seu serviço de streaming. No texto em questão, escreva ainda que a plataforma está a pagar um valor “injusto” aos proprietários dos direitos. Em conclusão, a empresa avançou que foi tomado uma atitude para tentar resolver o problema o mais rápido possível.
A equipa de advogados do Spotify já preencheu os papeis necessários para o tribunal e emitiu uma carta aos clientes. O objectivo é fazer perceber aos clientes que têm a opção de deixar o Spotify, a não ser que sejam consolidadas provas que contrariem as afirmações da Wixen Music.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB