PUB
Filmagens " Deepression" / Foto: Dércio Tomás Ferreira Deepression
Filmagens " Deepression" / Foto: Dércio Tomás Ferreira Deepression

Conhece “Deepression”, a nova curta-metragem de Dércio Tomás Ferreira em seis perguntas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Cada vez mais vimos nascer novos atores, realizadores e produtores de conteúdos dentro da comunidade lusófona e, com eles, uma bagagem criativa com vontade de vencer e mostrar o seu trabalho ao mundo.

Filmagens " Deepression" / Foto: Dércio Tomás Ferreira
Filmagens ” Deepression” / Foto: Dércio Tomás Ferreira

Dércio Tomás Ferreira é um desses jovens, angolano, licenciado em Mulltimédia, no Instituto Superior Miguel Torga, em Coimbra, Portugal, e com quem já falamos aqui.

“Deepression” é a mais nova curta metragem “oficial” de Dércio Ferreira, baseado no álbum do rapper luso-cabo-verdiano, Rahiz com a participação de Silvio Nascimento, Lana Bampoqui, Annia, Nadia Veronica e Diogo Dias. O enredo fala sobre um indivíduo que há anos nega e luta contra o seu estado mental depressivo.

“Deepression” foi realizado em colaboração com JayCee (Operador de câmara), Dillage (Diretor artístico), Cattuco (Técnico de som) e Geovanny (Produtor assistente).

Não podemos divulgar muito mais sobre a história, mas abaixo podes ler a entrevista que a BANTUMEN fez ao realizador Dércio, de forma a sabermos um pouco mais sobre a curta em apenas seis perguntas.

A curta-metragem estará disponivel já no dia 17 de maio, sexta-feira, na plataforma Tellas, às 19h. Para veres a curta, basta fazeres o registo de forma gratuita no site.

1- O porquê de uma curta metragem e não uma longa?

Criar uma longa-metragem envolve muito mais tempo, dinheiro, produção e equipa. Algo que não estaria ao nosso alcance tendo em conta o tempo que tínhamos para realizar este projeto. Tivemos uma semana apenas. Além disso, queríamos aproveitar o momento.

2 – Qual foi o interesse em abordar o tema da depressão?

Recentemente, a agenda da depressão ganhou destaque nalguns espaços à volta do mundo, e o álbum musical “Deepression” de Rahiz, que aborda esta mesma temática de forma profunda e real, também foi lançado nesta altura, então juntando o facto de eu e o Sílvio termos achado uma brecha no nosso tempo para o fazer acontecer, decidimos não desperdiçar a oportunidade.

3 – Numa altura em que há grandes jovens atores a surgir nos pequenos e grandes ecrãs, porque escolheste trabalhar com o ator Silvio Nascimento? Quais foram os requisitos?

Há duas pessoas no meu mundo com tanta fome pela criação de arte quanto eu. Rahiz e Sílvio. Então eu não podia desperdiçar a oportunidade de juntar o trabalho dos dois num só projeto.

Desde miúdo que eu conheço o Sílvio e sempre admirei o trabalho dele. Mas não é por isso que o quis. O Sílvio tem uma energia “on set” que mal dá para explicar. Ele não representa, ele vive a história. Ele chora… e muito (risos), ele ri, ele emociona-se, ele entrega-se de corpo e alma, literalmente.

Filmagens " Deepression" / Foto: Dércio Tomás Ferreira
Filmagens ” Deepression” / Foto: Dércio Tomás Ferreira

As nossas conversas são sempre sobre produção de conteúdo. E quando não estamos a criar, sentimo-nos mal, como se tivéssemos a falhar. Portanto, ele é e sempre será a minha primeira escolha. Para além de família, é o meu segundo ator angolano favorito, sendo o primeiro, aquele que ele trata como seu mestre, Tomás Ferreira.

Em termos de requisitos para os outros atores, o projeto começou com um processo de candidatura tanto para dramaturgos poderem escrever uma história que seria então interpretada pelo Sílvio, quanto para os atores poderem contracenar nele.

O objetivo da B.O.B.One é juntar a nossa comunidade e uni-la. Queremos dar oportunidades a quem as deseja e colaborar com quem vibra na mesma frequência que nós.

4 – Achas que a depressão é ainda um tema tabu e pouco falado na comunidade africana?

Não, eu não acredito que a depressão seja um tema tabu nas nossas comunidades. Porque o termo “tabu” implica qualquer tipo de proibição, e não somos reprimidos por o abordarmos, independentemente do contexto, nem por questões sociais ou políticas sequer. Mas o tema é pouco falado, com certeza.

Isso, a meu ver, deve-se ao facto de dentro da comunidade africana a depressão nunca ter sido vista como uma realidade. E o filme, num momento, com uma única frase, retrata este mesmo “desprezar” de um estado mental que não escolhe cultura, principalmente agora que basicamente vivemos todos em torno e nas sombras de padrões europeus.

As pessoas não falam dela porque não sabem bem o que é. Nós, africanos, sempre fomos fortes, qualquer tipo de perturbação psicológica é “frescura”. Como se diz na América: “This is white people stuff”. Então, quando enfrentamos algo do género, pensamos em mil e uma coisas, incluindo em “feitiços” e nunca chegamos a um diagnóstico tão simples e comum como a depressão. Infelizmente.

5 – Qual o sentimento de teres algo teu cá fora para que o mundo possa ver?

Esta é a minha terceira curta-metragem. A primeira foi ainda quando estava a fazer a faculdade, que infelizmente não chegou a ser publicada por erros no enredo. E a segunda está em fase de desenvolvimento. É como dizem: “a terceira é de vez”.

Filmagens " Deepression" / Foto: Dércio Tomás Ferreira Deepression
Filmagens ” Deepression” / Foto: Dércio Tomás Ferreira Deepression

E felizmente tive sorte em ter trabalhado com as pessoas envolvidas. Senti que, desta vez, já não dava para falhar. Juntei-me a amigos profissionais dedicados. Amantes de criação de arte e conteúdo como eu. O Geovany Cattuco que é o meu salvador e a quem recorro sempre, o Dilage, um dos melhores criativos que conheço, o Jay Cee da Digital Motions, uma das grandes produtoras na indústria de videoclipes em Lisboa, e o Geovanny Pitra, um dos meus melhores amigos com quem posso contar para tudo.

O sentimento de ter algo finalmente publicado é soberbo. Sinto-me “suave na nave”. Estou orgulhoso de mim mesmo porque raramente valorizo os meus próprios trabalhos ao ponto de os querer espalhar por todo canto.

6 – Podemos esperar mais trabalhos teus?

Sem dúvida. A B.O.B.One (uma estrutura de entretenimento) quer dinamizar a nossa indústria cinematográfica. Estamos dedicados a criar uma comunidade sólida de criadores dispostos a trabalhar em torno deste objetivo.

Vê abaixo o trailer de “Deepression”:

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB