PUB
Guiné-Bissau CAN 2021 ©AFP Daniel Beloumou Olomo

Guiné cai de pé, mas revoltada, diante do gigante Egipto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Guiné-Bissau defrontou neste sábado, 15, o Egipto, em jogo que colocou frente a frente o campeão recordista da CAN (sete vitórias) contra uns djurtus que, em três participações, nunca conseguiram passar da fase de grupos.

Mohamed Salah desbloqueou um jogo inesperadamente difícil para o Egipto, marcando o golo do triunfo.

Depois de uma primeira parte forte dos ‘faraós’, foi na etapa complementar, quando a equipa já revelava algum nervosismo, até pela atitude mais ousada do adversário, que a estrela do Liverpool beneficiou de falha defensiva para garantir os três primeiros pontos na competição, numa partida em que a sua equipa acertou três vezes nos postes.

O conjunto de Baciro Candé ainda ia subindo no terreno na primeira metade da etapa inicial, contudo os ‘faraós’ foram intensificando o domínio até ao intervalo, inclusivamente com alguns períodos de sufoco, sucedendo-se as oportunidades que poderiam ter resultado em golo.

No segundo tempo o jogo foi bem mais partido, com a Guiné-Bissau mais atrevida ante um Egito que cedo começou a revelar inesperado nervosismo.

Ainda assim, a experiência de Salah resolveu, quando, aos 69 minutos, nas costas de Opa Sangante, que o colocou em jogo, rematou cruzado, sem oposição, para o único tento da partida.

Aos 75 minutos, Zizo, na área, enviou a terceira bola ao poste e aos 82 a Guiné-Bissau marcou por Balde, em vistoso lance individual, contudo o tento seria invalidado pelo VAR, por falta sobre o primeiro rival que fintou.

O lance foi bastante contestado, quer pelos jogadores como pela equipa técnica guineense.

Nas entrevistas flash, depois do jogo, Ivanildo Cassamá, membro da equipa técnica dos djurtos, indicou à DW que a anulação do golo foi “revoltante”.

“O Egipto hoje ficaria com um ponto e ficaria muito complicado conseguir o apuramento. Não foi o Salah que resolveu o jogo nem foi a equipa egípcia. Foi outra pessoa que nós não podemos controlar. É triste, é revoltante”, desabafou.

O técnico revelou também estar orgulhoso da sua equipa, pela forma como esteve em campo. “Ainda somos um país pequenino a nível de futebol e ver jogadores como o Moreto a exibirem-se desta forma, deixa-me super orgulhoso e demonstra que talento há quanto baste nesta seleção.”

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

Irene Vasco

19,90 

PUB