PUB
continente africano
continente africano

Guiné-Bissau, Cabo Verde e Moçambique fazem parte da lista dos países mais abertos ao continente africano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Em termos de vistos a cidadãos de outros Estados africanos, segundo a União Africana (UA) e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), a Guiné-Bissau, Cabo Verde e Moçambique são dos países africanos mais abertos.

Promovido pela UA e BAD, o recente Índice Africano de Abertura, mostra a Guiné-Bissau em quinto lugar como o país mais aberto, que oferece a isenção de vistos a cidadãos de 14 países africanos e visto de fronteira a outros 39.

O país registou uma melhoria ligeira no índice e o visto de fronteira guineense é permitido para todos os países africanos de língua portuguesa, entre os quais apenas os cidadãos de Cabo Verde estão isentos de visto.

Já na terra onde a Morna é Património Imaterial da Humanidade, Cabo Verde, registou um ligeiro decréscimo e surge no oitavo lugar geral do índice, oferecendo isenção de visto aos cidadãos angolanos, guineenses e de 14 outros países; os restantes países africanos lusófonos podem pedir visto de fronteira.

Moçambique surge um pouco mais abaixo, no décimo lugar, sendo Angola o único país africano lusófono a beneficiar de isenção de visto para o país; o visto de fronteira é permitido para cidadãos de 44 países.

Angola é dos países que mais exige vistos antes da partida, a um total de 36 países, incluindo a Guiné-Bissau e a Guiné Equatorial; os cidadãos são-tomenses podem pedir visto de fronteira, enquanto os moçambicanos e cabo-verdianos estão entre os cidadãos de 10 países africanos isentos de vistos.

São Tomé e Príncipe encontra-se no 43º lugar, o país exige vistos antes da partida a 45 países; os países de língua portuguesa são privilegiados, estando todos os membros da CPLP isentos de visto, além de Ruanda, Marrocos e Gabão.

Quanto aos passaportes que dão acesso sem visto a mais países, destacam-se entre os países africanos de língua portuguesa os casos de Cabo Verde (20 países), Guiné-Bissau (17) e Angola (14); no caso são-tomense, apenas três países não exigem visto e 28 exigem-no antes da partida.

De acordo com o relatório, os últimos três anos foram de progresso na livre circulação entre os países africanos, com os viajantes do continente a poderem obter vistos na chegada em mais países africanos e viajar sem visto para um quarto do continente.

“Os países africanos estão a tornar-se cada vez mais abertos a visitantes de todo o continente, já que a maioria dos países e regiões faz progressos constantes em todos os indicadores de abertura de vistos”, refere o relatório.

E pela primeira vez, os africanos têm acesso liberalizado a 51% do continente e precisam de vistos para viajar para menos da metade de outros países africanos. Os dois países com melhor pontuação no índice, por oferecerem o acesso sem vistos a todos os países do continente, foram o Benim e as Seychelles.

“No futuro, a promoção de uma maior abertura de vistos em toda a África ajudará a capitalizar os ganhos a serem obtidos com o lançamento da Área de Livre Comércio Continental Africana, do Mercado Único de Transporte Aéreo da África e do Protocolo sobre a Livre Circulação de Pessoas”, conclui o relatório.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB