PUB
VirgilAbloh
Virgil Abloh | Foto: Alessio Sengala

O legado de Virgil Abloh, 5 feitos de um visionário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Virgil Abloh morreu aos 41 anos no auge da sua carreira. Foi um pioneiro e deixou um legado inestimável dentro da cultura urbana, nas suas várias vertentes, e que é agora quase indissociável da moda de alta costura.

Deejay, designer, empresário e visionário teve uma ascensão meteórica desde 2009, quando ingressou num estágio na FENDI, onde conheceu Kanye West. A partir daí, tornou-se diretor criativo de YE e a sua prolífica carreira

início em Chicago, onde nasceu em uma família de imigrantes ganenses e perseguiu destemidamente suas obsessões por streetwear, arte e cultura, eventualmente se tornando num dos nomes mais influentes da indústria da moda recente.

Liderando a sua própria marca, Off-White, que lançou em 2012, Virgil foi escolhido para ser diretor artístico de moda masculina da Louis Vuitton, tornando-se no primeiro designer negro a dirigir a marca. Entretanto, o artista formou parcerias com artistas como Jenny Holzer e Arthur Jafa e projetou garrafas de champanhe, gira-discos, tapetes, ténis, móveis, etc.

A seguir, listamos aqui cinco feitos protagonizados por Virgil Abloh

1 – Abloh fez um mestrado em Arquitetura, no Illinois Institute of Technology. Entretanto o seu gosto pela moda levou-o a ingressar num estágio na FENDI, em Milão, onde conheceu Kanye West, com quem criou uma parceria colaborativa que “desalinhou” o status quo da casa italiana e cativou o CEO da Louis Vuitton, Michael Burke. Depois dessa passagem pela Fendi, Abloh tornou-se diretor artístico da Donda, a agência de criação de West, e dirigiu a arte do álbum Watch the Throne de West e Jay-Z, e 2que lhe valeu um Grammy.

2 – Em 2012, Abloh lançou a sua primeira marca, a Pyrex Vision, com a venda de camisas Ralph Lauren estampadas com a palavra “Pyrex”. Em seguida, veio a estreia da Off-White, uma marca de moda sediada em Milão que combina streetwear, arte e música e, como disse o seu fundador, paira na “área cinzenta entre o preto e o branco”. A Off-White rapidamente tornou-se marca de renome no mundo da moda, exibindo coleções masculinas e femininas durante a Paris Fashion Week em 2014 e sendo nomeada uma das finalistas do Prémio LVMH no ano seguinte.

3 – Abloh foi escolhido para suceder a Kim Jones como o melhor designer de roupas masculinas da Louis Vuitton em 2018, tornando-se no seu primeiro diretor artístico negro e um dos poucos a dirigir uma casa histórica francesa. Mesmo mantendo o calendário sazonal ininterrupto da moda com coleções de sucesso comercial e crítica, Abloh continuou a trabalhar com West, liderando Off-White e garantindo colaborações com marcas como Evian, Nike e Takashi Murakami, entre outras.

4 – Abloh moldou a cultura. O seu nome acabou por tornar-se sinónimo de sucesso, através da s várias colaborações – Möet, Vitra e Moncler entre elas – que quase sempre esgotavam em segundos. Em 2019, assistiu a uma retrospectiva marcante na MCA Chicago, que documentou as suas proezas comerciais. “Os seus projetos desenrolam-se com intenção, precisão, crítica, consciência histórica e sensibilidade cultural”, disse o curador Michael Darling na época. “Quando retirado do contexto agitado e espumante da moda de luxo, manequins de celebridades e superioridade do hip-hop, surge uma visão comedida.”

5- Enquanto isso, Off-White estava a mapear uma espécie de novo território, com Abloh a criar novos conceitos para artigos para a casa e prêt-à-porter experimental. Os seus ganhos atraíram a atenção da gigante do comércio eletrónico Farfetch, de origem portuguesa, que comprou a New Guards, a empresa proprietária cuja jóia da coroa é a Off-White – por uns comedidos 675 milhões dólares, em 2019.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

No Comment.

Artigos Relacionados

PUB