PUB

“Faraós Superstars” em exposição na Gulbenkian

Cinco mil anos de História do Antigo Egito estão em exibição da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, até 6 de março de 2023.

Tutankhamon, Nefertiti, Cleópatra, entre outros faraós, são hoje celebridades, que ocupam o imaginário coletivo há mais de cinco mil anos.

Com cerca de 250 obras de importantes coleções europeias, entre antiguidades egípcias, iluminuras medievais, pinturas clássicas, documentos, obras históricas, mas também vídeos, música pop, bens de consumo e publicidade do nosso tempo, a exposição surge em celebração dos 100 anos da descoberta do túmulo de Tutankhamon, no Vale dos Reis, pelo egiptólogo britânico Howard Carter e os 200 anos da decifração dos hieróglifos, por Jean-François Champollion.

Este conjunto tão variado de obras convida a uma reflexão sobre a popularidade destas personagens históricas, e por vezes míticas.

A natureza efémera desta popularidade, nem sempre associada ao reconhecimento histórico, é outro tema explorado nesta exposição. Khufu (Quéops, em grego), Nefertiti, Tutankhamon, Ramsés e Cleópatra continuam a ser nomes reconhecidos milhares de anos após a sua morte. Mas, atualmente, quem se lembra de Teti, de Senuseret ou de Nectanebo?

O público poderá cruzar-se com obras únicas vindas das coleções do British Museum (Londres), do Museu do Louvre (Paris), do Museo Egizio (Turim), do Ashmolean Museum (Oxford), do Musée d’Orsay (Paris), do Mucem – Musée des Civilisations de l’Europe et de la Méditerranée (Marselha), da Biblioteca Nacional de Portugal (Lisboa), do Museu da Farmácia (Lisboa), entre outras. 

Em foco estarão também peças do núcleo de arte egípcia do Museu Gulbenkian, ponto de partida para uma reflexão sobre a relação que Calouste Gulbenkian estabeleceu com Howard Carter, conselheiro para a maioria das suas aquisições.

Pequenos e adultos podem explorar a exposição de um modo divertido e criativo através do jogo A Cartela do Faraó.

Poderá também encontrar várias estações táteis ao longo da exposição e todos os textos sobre as obras em formato ampliado no nosso website. Os vídeos pedagógicos, bem como as visitas orientadas, têm interpretação em Língua Gestual Portuguesa.

A exposição Calouste Gulbenkian e o Egiptono Átrio da Biblioteca de Arte, revela mais detalhes sobre interesse do colecionador pelo Antigo Egito, as obras que adquiriu e a relação que estabeleceu com Howard Carter, seu conselheiro em algumas das suas aquisições.

Subscreve a nossa newsletter e fica a par de tudo em primeira mão!

PUB